Viúvas site de namoro

Site e Aplicativo de relacionamento, sexo casual, namoro grátis e contatos de mulheres e homens em Tangará da Serra, Mato Grosso Mulher evangélica 25 a 35 anos e mais...' Sou carinhosa e amorosa. e fiel e amiga . Humilde', Mulher evangélica 25 a 35 anos Tangará da Serra Quando me divorciei julguei que nunca mais iria confiar em ninguém, mas o Mulheres Divorciadas fez-me mudar de ideias. Aqui conheci o Jaime, um homem apaixonante, amoroso, mas acima de tudo, verdadeiro. Marta, 46 anos. Eu também tive um casamento complicado e procurava uma mulher que percebesse aquilo que me tinha acontecido. O pagamento de serviços deste site é gerido pela 24-7help.net 800-425-9886 O Namoro Mozambique faz parte da rede de sites de encontros encontros, que inclui muitos outros sites com esta temática (mozambican encontros) e também generalistas. Encontre mulheres viuvas em Brasil Chat Namoro, Salas de encontros onde pode conhecer o seu futuro namorado ou namorada, fazer novas amizades, conhecer pessoas de todo o mundo. Chat namoro é um espaço para relacionamentos sérios ou casuais, é você que decide Encontre mulheres viuvas em Portugal Clube Amizade encontros, relacionamentos e amizades com membros de 199 países. Clube Amizade site de relacionamentos, namoro ou amizade site de encontros online para homens mulheres que procuram fazer amigos amigas e conhecer pessoas Em recente pesquisa realizada dentro do nosso site, 85% dos usuários do site de namoro be2 que procuram por um namoro ou relacionamento sério, sejam solteiros, divorciadas, divorciados, viúvas, estão muito satisfeitos com o be2. A qualidade da lista de candidatos recomendados, apenas com pessoas que realmente têm chance de darem certo em ... NAMORO – Identificando Sinais de Perigo. Namoro é preparação para o casamento e não um relacionamento para curtir ou ganhar experiência. É uma oportunidade para ambos, namorado e namorada, exibirem a semelhança com Cristo. O apóstolo Paulo, em sua carta aos efésios, faz um apelo à igreja – “…que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados” (Ef.4.1). Nem só de Tinder vive o mundo de encontros românticos online. Existem mais de 1.500 sites de namoro ativos em todo o mundo e nós separamos alguns dos mais estranhos para você conhecer. Naturalmente, as mulheres que foram viúvas enfrentam os mesmos tipos de problemas que as mulheres solteiras por qualquer outro motivo. Você ainda precisa estar pronto para um novo amor antes de começar a namorar – e você ainda precisa ter uma visão clara de namoro e relacionamento. Você ainda precisa saber sobre bandeiras vermelhas, ter ... O maior site de relacionamento, encontros e namoro online do Brasil. Não deixe de entrar, comece um relacionamento hoje!

Escrevi esse conto e gostaria de um feedback

2020.02.10 15:30 KNWRV Escrevi esse conto e gostaria de um feedback

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.01.16 01:33 KNWRV O Funeral

Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to escrita [link] [comments]


2020.01.10 16:41 KNWRV Vejam oq vcs acham desse meu conto

O funeral
Na estante de madeira, uma coleção de livros; uma televisão sobre a bancada, lâmpada fosca de tungstênio, ele se encontrava deitado sobre o teclado do computador, semi-desperto, na tela do computador se lia: “A vida e a morte de zdweddddddd...”. José Augusto era escritor, vivia de pequenos contos, algumas traduções aqui e outras ali. Dava pra pagar o pequeno apartamento em que vivia. Não tinha mais companhia, terminara com a namorada, o cachorro Tufão morreu há um mês. Vivia, ainda que mal vivia.
Prim,Prim...Ah! Acordou de sobressalto, era aquele maldito telefone, pra quê pagava aquela linha? Ninguém mais ligava ali, bom mas alguém ligava... Foi caminhando zonzo, no andar dos bêbados. Alô! É da casaa do senhor José Augustoo? – falava como se puxasse a última vogal de algumas palavras ou era a ligação- É sim. Quem fala? É Helena, mulher do Leonardo. Do Leonardo? Como ele tá? Já faz muito tempo que eu falei com ele! É assim...humf,humf... ele saiu dessa para uma melhor- disse entre choramingos. Meu deus. O funeral vai ser hoje à tarde, uma da tarde, seria bom se você aparecesse no funeral, ele pediu que eu te entregasse algo. Eu vou sim, claro que vou- falava estupefato- Tá certo... Tá certo. Funerária Jerusalém. Tá certo.
Morto, defunto, funeral... hoje? Uma hora? Mas como? Quando? Ele tava doente? Por que ele não falou nada? Faz o quê? Cinco anos? Seis? Sentou-se consternado, novamente, em frente do computador. Eram oito horas e trinta minutos, depois dessa mórbida conversa sentiu seu lábio rachado como as terras áridas do deserto, levantou-se da cadeira, a visão ficou turva e sentiu uma certa vertigem. Escuridão, tudo negro... morte? Morte? Não, ainda não. Andou meio bambo até a cozinha, retirou uma vasilha de água da geladeira. Bebeu direto dela, os copos estavam sujos. Funerária Jerusalém. Eu vou ter que pesquisar onde fica. Voltou ao quarto em duas passadas, sentou todo afobado, abriu o navegador, digitou no site de busca: Funerária Jerusalém. Descobriu que ficava na rua Azul do bairro que vivia, eram três quadras de distância, iria a pé, estava decidido.
Preto, é claro! Tem que ir de preto. Não poderia ir com a regata branca amarelada e esburacada na altura das axilas e nem mesmo o short florido que trajava no momento. Saiu do cômodo e voou pelo quarto para o armário. Cadê? Cadê? Aqui. Tirou uma amassada camisa do armário. Eu passo? É tenho que passar, mas primeiro a calça. Cadê? Cadê? Aqui! Pegou uma calça negra, mas com um buraco na parte esquerda da calça. Tem outra? Não, não tem. Droga! Jogou a calça e a camisa na cama. Meias? Precisa de meias pretas? Melhor né? Cadê? Cadê? Não tem, branco é tranquilo, é só a meia, pegou o único tênis que tinha; claramente preto. O tênis estava deplorável, a camisa amassada e a calça furada, mas era o que ele tinha.
Tem que passar a camisa... passo? Eu passo... não pra quê? Ninguém vai reparar, ninguém sabe que José Augusto é apenas um fracassado de quarenta anos, ninguém sabe, nem saberá. Que horas são? Olhou o relógio, já eram doze horas, mas já? Quanto tempo foi perdido nas roupas? Talvez uma fenda o tempo se abriu e me sugou para dentro e eu não percebi? Talvez o preto fosse uma espécie de cor sagrada em que o contato possibilitava romper as barreiras da realidade, os questionamentos fluíam da cabeça de José Augusto tomando forma na realidade, enfim concluía sempre seus pensamentos com um: “Hmm... devo escrever uma história sobre isso”. Já eram doze horas, isso lhe era inegável, ainda que tentasse justificar com ideias de ficção científica. É realmente não dá para passar. Voltou à cozinha; abriu a geladeira, tinha um pequeno prato com um pedaço de carne, pegou a margarina, caminhou até o fogão, ligou-o, chama alta, derramou quase toda a margarina na frigideira, fritou o bife, o boi morto ardia no metal, chiando, o som agudo causava certa irritação em seus ouvidos, levou o dedo ao ouvido, evitando o som que em poucos segundos cessou. Cortou um pedaço de pão velho perdido pela cozinha em uma cesta perto da geladeira, pôs a carne nele, comeu em duas mordidas. Tomo banho? Cheirou-se, não havia odor algum, não, só troco de roupa. Voltou ao quarto, trocou o folgado short que usava pela camisa amassada e a calça rasgada. Era hora de ir ao funeral.
Saiu do apartamento, trancou a porta, desceu as escadas, abriu o pequeno portão. Começou a andar no quarteirão, o sol estava queimando, os prédios mais distantes apareciam em formas distorcidas em meio ao calor como se fossem visões de uma realidade que nunca existira. Passou o primeiro cruzamento; faltavam três; uma velha corcunda vestida com um vestido florido e com cabelos brancos que pareciam brilhar em meio ao sol esperava no segundo cruzamento, ela quer atravessar? Ajudar uma velha, eu sou o quê, um escoteiro? Isso é tão ridículo. José confrontava a ideia de ajudar uma velha a atravessar a rua e não fazer nada, não importava sua escolha ambas aos seus olhos lhe pareciam ridículas, a primeira era algo quase que irreal, algo como um drama de uma história sem sal, típicas do seu trabalho de escritor menor; a segunda porque em nada mudaria o destino das estrelas no universo, uma pequena ação em uma rua tão pequena, nada poderia mudar o significado do mundo, porém alguma ação de José Augusto já havia mudado o universo? Ele pesava ambas com cuidado, agindo com uma balança perfeitamente regrada, ele sentia o que cada uma poderia causar: no fim concluiu que ajudar ou não ajudar não importava.
Quem sabe a primeira me compre um lugar no céu. Acreditava no céu? Isso não se sabe, nem ele sabia disse ao certo. José ia à igreja algumas vezes, sabia decorado alguns salmos, o pai-nosso, a ave-maria, credo e mais algumas, o tempo que passara na Eucaristia e em sua Crisma, lhe fora cansativo, porém internalizara bem os comandos de Dona Susana, mas não chegou a concluir se tinha uma fé verdadeira ou imposta, a verdade que nem ele sabia no que acreditava: às vezes se baseava puramente na ciência outras vezes falava de coisas imateriais e justificava com destino e outras coisas assim. Era um ser curioso, um escritor sem muito valor, mas bastante curioso.
Com as dúvidas na cabeça e o sol sobre a cabeça, ele se aproximou da velha corcunda. Senhora quer ajuda? Obrigado, meu filho.- disse abrindo um sorriso com os dentes amarelos, demarcados pela falta de alguns, entre os buracos parecia haver um fogo que ardia de dentro de seu ser. Ele a pegou em sua mão, a mão era fria, como se ele sentisse a mão do falecido que veria no funeral. Cuidadosamente, primeiro um pé e depois um outro, cuidado com os carros. Senhora, não precisa se apressar, vamos devagar. Isso, devagar. A velha somente ficava calada, mostrando seu sorriso furado e amarelo. Enfim atravessaram a rua, com certa lentidão típica daqueles que atravessam para o outro lado da rua. Largou a mão fria já na calçada, olhou os olhos da velha que mais pareciam tragar toda a luz e não emitir nenhuma, desafiando os princípios físicos e disse: A senhora tem que tomar cuidad... Tá falando com quem otário?! Disse um garoto com boné para trás que passava pela rua.
José Augusto desviou seu olhar para o jovem que passou e depois retornou para onde deveria estar a velha, mas ela já não estava mais lá. Olhou para os quatros cantos, a velha desaparecera em meio ao sol quente daquela quinta-feira. Como poeira naquele asfalto, a velha sumira diante do mundo, levada pelo vento quente. Como era de tentar justificar tudo José Augusto formava pensamentos desconexos para tentar compreender aquela história: foi o sol, ele pensava, o calor muda a visão e a realidade, apenas pode ser isso, assim como os prédios distorcidos, a velha não passava de uma distorção da realidade, existem algumas teorias físicas que apontam distorções do espaço-tempo, talvez a velha fosse uma extensão dessas distorções, pensava com a cabeça de um físico teórico. Continuou andando pelas cimentadas ruas, o sol queimava, mas ainda andava com passos firmes, formulando outras teorias sobre as distorções do continuum espaço-tempo. Absorto nessas ideias, ele não percebeu que apesar do sol incidir obliquamente sobre seu corpo, ele não tinha sombra, um fato muito mais curioso, haja visto que a velha caminhava logo atrás dele, sem nenhum som, ou seja seu desaparecimento não valia a pena ser investigado porque já reaparecera. Sob o sol forte, ele, enfim, chegou em frente à funerária, uma casa azul, com algumas flores amarelas na entrada e uma árvore murcha. José entrou fazendo o sinal da cruz.
“José”. Helena, há quanto tempo; Helena usava a típica roupa de viúva; negra, usava um véu sobre a cabeça branco que destoava, mas era o mais típica possível. Havia dois vasos com flores vermelhas na sala, no caixão do defunto, mais flores vermelhas e ao redor vários olhos vermelhos e inchados de choro. Perto do caixão estava a mesma velha corcunda do vestido florido, ela abriu o mesmo desdentado sorriso amarelo e José Augusto atônico, desviou o olhar das chamas que ardiam entres os furos de seu sorriso. O que foi José? Parece que viu um fantasma. Não é nada... não é nada, Helena. Ela tinha o nariz e os olhos verdes avermelhados, possivelmente do choro, pensava José. A idade não havia sido severa com Helena, ela ainda continuava bonita quando nos tempos da juventude. Ela um tanto apressada, com medo de não ter outra oportunidade, ela tirou do bolso uma pequena foto e disse: José, o Leonardo pediu para eu te entregar. Ela então entregou a foto amarelada: José e Leonardo jovens, em tempos de faculdade, sentados sobre o capô de um gol branco, José ria e Leonardo sorria olhando para baixo, o sol incidia sobre o vidro e aquele momento ficou capturado como uma alegre lembrança. Bons tempos, do que será que ele morreu? Eu pergunto? É rápido...ele olhou o nariz vermelho e subitamente sua coragem cedera, não, não pergunto, do que adianta saber, em que isso mudaria a situação?
Ele nunca me contou o porquê de vocês terem brigado, disse Helena com um certo tom de inocência na voz revelando seu inerente desejo de saber o porquê de tão bons amigos terem parado de se falar repentinamente, faz tanto tempo- disse lentamente José Augusto- eu nem lembro o motivo... eu devia ter pedido desculpas, ele olhava para os azulejos à portuguesa do chão. Ele também deveria, disse Helena abrindo um sorriso de complacência, sabendo da personalidade cabeça-dura de seu finado marido. Eles se despediram de uma forma silenciosa, Helena foi receber outros que chegavam, José sentou na cadeira de plástico bamba do canto esquerdo, com a foto na mão direita, que manuseava incessantemente entre os dedos, ele olhava fixamente para o caixão, assim como para a velha. Permaneceu sentando no canto por longos trinta minutos, alheio ao mundo; revivendo o garoto solitário que ficou amigo do garoto popular, dos jovens na faculdade, das alegres brincadeiras e queria lembrar o motivo da briga, mas não lembrava, fixava os olhos cansados sobre a foto, esquecera da velha por um momento, tentava lembrar com todas as suas forças o motivo da briga, mas não lembrava. Revisitando suas diáfanas memórias de amizade e juventude, dos namoros e diversões, de seu melhor amigo improvável, fez com que escorresse, por sua face que já enrugava, uma lágrima, somente uma, mas uma escorreu.
Levantou-se, foi-se embora lentamente, sem ninguém perceber, abriu a porta e saiu da funerária, também fazendo o sinal da cruz. A velha do sorriso amarelo o acompanhou; passou pela árvore murcha e as flores da entrada, sob o sol ainda fervente, voltou ao seu apartamento, alheio ao mundo, despercebendo as mudanças que os prédios sofriam, deixando a forma de prismas retos, para uma forma arredondada e curvada. A velha corcunda que o acompanhava, fazia o papel de sua sombra que inexplicavelmente sumira. José Augusto normalmente iria criar teorias científicas, filosóficas ou qualquer outro motivo para aqueles momentos, porém absorvido no passado que revivia em lembranças não pensava nisso, abriu a porta do seu apartamento que rangeu como um último grito de um moribundo, sentia em seu peito uma necessidade de escrever, sem trocar a roupa, comer ou beber água, encaminhou-se ao escritório, colocou a foto em cima da bancada, sentou em frente ao computador, a velha do sorriso amarelo ficara no canto do cômodo observando-o trabalhar, o seu sorriso era cada vez mais macabro, mas o escritor nada notava, apenas digitava, tudo que sentira naquela revisitação de suas memórias. José Augusto escrevera, até o anoitecer e além, o livro de sua vida: “Duas vozes”, a lua já estava alta e as estrelas cantavam, sentiu um grande sono e caiu sobre o teclado dormindo, com um sorriso escancarado, reconhecendo que escrevera uma obra digna de autores como Proust, Machado e Joyce, quem sabe estaria ele ao lado deles, após aquele livro.
A velha aproximou-se, deu-lhe um abraço e trouxe um pequeno cobertor do quarto para José, por uma última vez ela abriu o sorriso amarelo: É uma história bonita. Parabéns, José Augusto. Disse com sua voz fria e profunda que ecoava em uníssono com o silêncio do quarto frio.
“Duas vozes” virou um sucesso, falava-se dela nas ruas, na tevê, ganhara a aclamação de crítica e público, suas passagens eram recitadas por jovens e velhos e até sua abertura, que para os leitores era tão icônica, virou frase de para-choque de caminhão e tatuagens na pele de muitos que nunca viram o rosto de José Augusto, a frase era mais ou menos assim: “Cuide de suas lembranças, elas são o cemitério que você leva na cabeça”.
“Duas vozes” era claramente uma versão poética de sua amizade com Leonardo e todas as aventuras de infância, juventude e maturidade pelas quais passaram. Os críticos que a aclamaram depois, perceberam facilmente essa criação poética das lembranças e suas semelhanças com a realidade. Assim como destacam que foi escrita na quente quinta-feira do funeral de Leonardo e da morte de José Augusto.
submitted by KNWRV to Contos [link] [comments]


2015.12.31 00:24 amici_ursi Subreddit Stats: portugal top posts from 2014-12-29 to 2015-12-28 16:18 PDT

Period: 364.24 days
Submissions Comments
Total 1000 44523
Rate (per day) 2.75 121.66
Unique Redditors 425 2952
Combined Score 66627 165419

Top Submitters' Top Submissions

  1. 2475 pts, 25 submissions: u/Vasco_da_Gamba
    1. Não há nada mais português do que o Desenrascanço (328 pts, 60 comments)
    2. [NSFW] Dizem que a Sara Sampaio tem o peito pequeno. Esta imagem diz o contrário. (319 pts, 67 comments)
    3. Darth à cão (138 pts, 26 comments)
    4. Esperemos que nenhum refugiado seja enviado para Santiago do Cacém (128 pts, 47 comments)
    5. 760? Vai mas è pro caralhinho (120 pts, 20 comments)
    6. Para vos ajudar a refletir (117 pts, 25 comments)
    7. Castelo dos Mouros hoje 14 Novembro.Sintra,Portugal (117 pts, 37 comments)
    8. António Galvão,repórter de imagem da TVI, a ser ajudado por refugiados após carga de gás pimenta da polícia húngara. (108 pts, 53 comments)
    9. Jogo da colher nas bancadas do Vilafranquense-Sporting (91 pts, 10 comments)
    10. De Porcalhota para a Amadora (89 pts, 34 comments)
  2. 1571 pts, 21 submissions: u/Morpheuspt
    1. Um em cada três fumadores é imortal. (192 pts, 17 comments)
    2. Ide votar, sff. (181 pts, 173 comments)
    3. CAMPEÕES CARALHO!!!!! (161 pts, 21 comments)
    4. Telma Monteiro campeã da Europa de Judo, pela 5ª vez. (112 pts, 32 comments)
    5. /PORTUGALCARALHO declara guerra a /epana (91 pts, 34 comments)
    6. Ainda não saiu a noticia, mas as Linhas do Douro, Norte, Oeste, Sintra e Cascais já estão disponíveis no Google Street View (66 pts, 10 comments)
    7. Há quatro anos, isto aconteceu. (65 pts, 11 comments)
    8. Antes do Steve Harvey fazer merda, já nós tínhamos inventado o conceito de atribuir títulos à miss errada. (61 pts, 13 comments)
    9. GNR, Bitchez (60 pts, 41 comments)
    10. Ténis de mesa conquista primeiro ouro para Portugal (59 pts, 5 comments)
  3. 1220 pts, 23 submissions: u/pica_foices
    1. Eurosport garante direitos da Formula 1 em Portugal até 2018 (126 pts, 120 comments)
    2. Universidade de Coimbra cria método 10 vezes mais barato para diagnosticar cancro (90 pts, 1 comment)
    3. Banhista apanhado desprevenido pela TVI num directo (86 pts, 36 comments)
    4. Volkswagen pede desculpas a consumidores portugueses - publicidade no Expresso (66 pts, 64 comments)
    5. A carga fiscal explicada em legos, segundo o PCP (60 pts, 35 comments)
    6. Passos Coelho em 2014: "Há muitos que deveriam pagar os seus impostos e não pagam" (60 pts, 111 comments)
    7. IKEA, a arte de reinventar e vender (59 pts, 18 comments)
    8. o caso Luaty ma imprensa portuguesa: jornais (com vs sem) capitais angolanos (59 pts, 15 comments)
    9. Guimarães: Pai agredido à bastonada à frente da criança (filho) (55 pts, 192 comments)
    10. Passos Coelho de 2015 em debate com Passos Coelho de 2011 (52 pts, 20 comments)
  4. 1011 pts, 12 submissions: u/sotoon
    1. Entretanto nos tempos de salazar... (192 pts, 11 comments)
    2. Morte súbita (144 pts, 39 comments)
    3. Mudanças rápidas e sérias (94 pts, 17 comments)
    4. Como configurar um proxy (91 pts, 21 comments)
    5. CMTV mestre no clickbaiting (85 pts, 12 comments)
    6. Entretanto em Valongo... (78 pts, 21 comments)
    7. Não matem os licranços, são animais amistosos que não fazem mal a ninguém (74 pts, 48 comments)
    8. /Portugal reconhecido internacionalmente (71 pts, 14 comments)
    9. Encontrado num livro de matemática do 12º ano (54 pts, 12 comments)
    10. Árbitro confunde nome de jogador com insulto e expulsa treinador (44 pts, 21 comments)
  5. 970 pts, 16 submissions: u/otanerpt
    1. Pode não ser feriado, mas hoje comemora-se a Restauração da Independência (170 pts, 97 comments)
    2. Morreu o ator Nuno Melo (91 pts, 37 comments)
    3. Fail no Jornal da Uma "Foda-se oh Neves..." (82 pts, 30 comments)
    4. A capa do Record no dia depois da vitória do Nélson Oliveira na Vuelta e de um jogo da Seleção (69 pts, 28 comments)
    5. Ténis: João Sousa volta a fazer história, conquistando o torneio ATP de Valência! (69 pts, 18 comments)
    6. Belenenses qualifica-se para a fase de grupos da Liga Europa (59 pts, 31 comments)
    7. [Resultados] Mini-Sondagem /portugal - Eleições Legislativas (52 pts, 95 comments)
    8. Falha na TVI24: "Mas o programa está a acabar porquê?" (47 pts, 29 comments)
    9. Administrador pressiona governo: RTP 3 e RTP Memória devem passar para canal aberto (47 pts, 16 comments)
    10. Mini-Sondagem /portugal - Eleições Legislativas 2015 (46 pts, 83 comments)
  6. 968 pts, 13 submissions: u/fanboy_killer
    1. Malato, sobrevivente dos atentados de Paris (178 pts, 88 comments)
    2. Só estilo (162 pts, 37 comments)
    3. Pornhub & Portugal – Insights (sfw) (95 pts, 94 comments)
    4. Uber proibida em Portugal (88 pts, 173 comments)
    5. R.I.P. língua portuguesa (77 pts, 56 comments)
    6. Taxista involuntariamente irónico na manifestação anti-UBER (66 pts, 52 comments)
    7. Portugal nº1! Somos o país desenvolvido mais desigual do planeta! (57 pts, 38 comments)
    8. Só ficam a faltar as férias pagas (49 pts, 124 comments)
    9. Estou eu a ver o TED 2 quando de repente... (46 pts, 24 comments)
    10. 9 em cada 10 taxistas que fogem ao Fisco (40 pts, 14 comments)
  7. 868 pts, 14 submissions: u/catrapuz
    1. Fiz uma GIF com o gajo da Madeira (192 pts, 56 comments)
    2. O Vegeta a cantar o fado (89 pts, 6 comments)
    3. HEA Carolina Beatriz Ângelo foi a primeira mulher a votar em Portugal. Em 1911, só era permitido o voto aos "chefes de família que soubessem ler". Invocou em tribunal o direito de ser considerada como tal, pelo facto de ser viúva. (73 pts, 8 comments)
    4. Tou com vontade de comprar estas pantufas só para experimentar isto. (66 pts, 22 comments)
    5. Como eu vejo o /portugal das últimas horas (61 pts, 21 comments)
    6. O cenário para esta entrevista estava original (61 pts, 10 comments)
    7. Cavaco Lee (50 pts, 1 comment)
    8. A 11 de Setembro de 1985 aconteceu o pior acidente ferroviário de Portugal. Duas composições colidiram junto ao apeadeiro de Moimenta-Alcafache a cerca de 100 Km/h, com o nº total de mortos estimado em mais de 100 pessoas. (49 pts, 43 comments)
    9. [HEA]No início do sec.XX, o Leiteiro era uma profissão em Lisboa. Andava pelas ruas com as vacas ou cabras, e vendia o leite ao domicílio, tirado diretamente dos animais. (42 pts, 17 comments)
    10. O motor não pega? Um pouco de perfume é capaz de ajudar (39 pts, 9 comments)
  8. 815 pts, 14 submissions: u/ManaSyn
    1. Um pãozinho é sempre apetitoso, mas... (99 pts, 12 comments)
    2. Lembram-se da minha carrinha roubada? (83 pts, 28 comments)
    3. Estuário do Tejo, por Samantha Cristoforetti, astronauta italiana (66 pts, 2 comments)
    4. Chico esperto (62 pts, 5 comments)
    5. Portugal não consegue travar avanço da vespa-asiática (62 pts, 37 comments)
    6. Os 100 apelidos mais comuns em Portugal (registados no primeiro semestre de 2015). (61 pts, 73 comments)
    7. Há que chamar as coisas pelos nomes (59 pts, 10 comments)
    8. The Strangest, Most Eclectic, Fantastical Palace I've Ever Seen: The Pena Palace, a UNESCO World Heritage Site in Sintra, Portugal (x-post /Europe) (53 pts, 20 comments)
    9. André Carrilho vence World Press Cartoon (52 pts, 7 comments)
    10. HEA que o site de queixas electronicas do MAI tem um botão de pânico para quem estiver a fazer uma queixa às escondidas (52 pts, 12 comments)
  9. 745 pts, 6 submissions: u/tiago1500
    1. The feels (317 pts, 67 comments)
    2. ;( (145 pts, 19 comments)
    3. How Powerful is Portugal? (101 pts, 98 comments)
    4. Encontrei um livro muito interessante! (74 pts, 46 comments)
    5. Depois de ver aquela imagem do NOS Alive(x-post /adviceanimals (68 pts, 15 comments)
    6. TIL José Castelo Branco é primo do António Costa (40 pts, 20 comments)
  10. 701 pts, 10 submissions: u/No_Im_Not_High
    1. Cavaleiros que dizem joelho (144 pts, 35 comments)
    2. Vou só deixar esta imagem aqui, ok? Pronto, é tudo, continuação de bom dia. (94 pts, 7 comments)
    3. "O chefe-editor da Redditor" - é fácil ser "jornalista" no SAPO... (90 pts, 37 comments)
    4. Último esforço pelo Centro de Recuperação do Lobo Ibérico (72 pts, 42 comments)
    5. Portugal ofereceu-se para receber 5 mil refugiados. Só 50 aceitaram (64 pts, 175 comments)
    6. "José Sócrates é um preso político" (52 pts, 37 comments)
    7. Boa promoção no jumbo (50 pts, 9 comments)
    8. (Foi rápido...) Anulada sentença de 3,5 anos de prisão a Maria Lurdes Rodrigues por prevaricação (47 pts, 67 comments)
    9. Como ficaria o parlamento se os mandatos fossem distribuídos apenas pelo total de votos a nível nacional? (46 pts, 91 comments)
    10. [Não é inimigo público] Graça Castanho desiste de candidatura por assinaturas terem sido levadas pelo vento (42 pts, 13 comments)

Top Commenters

  1. u/informate (2790 pts, 928 comments)
  2. u/No_Im_Not_High (2289 pts, 424 comments)
  3. u/Morpheuspt (2120 pts, 661 comments)
  4. u/ruifon (2022 pts, 790 comments)
  5. u/raviolli_ninja (1586 pts, 204 comments)
  6. u/4thDimensi0n (1578 pts, 262 comments)
  7. u/Empirion (1446 pts, 324 comments)
  8. u/Herbacio (1435 pts, 296 comments)
  9. u/pilas2000 (1382 pts, 436 comments)
  10. u/van_Zeller (1371 pts, 249 comments)

Top Submissions

  1. Não há nada mais português do que o Desenrascanço by u/Vasco_da_Gamba (328 pts, 60 comments)
  2. [NSFW] Dizem que a Sara Sampaio tem o peito pequeno. Esta imagem diz o contrário. by u/Vasco_da_Gamba (319 pts, 67 comments)
  3. The feels by u/tiago1500 (317 pts, 67 comments)
  4. The Most Accurate Map of Portugal Ever Made by u/msixtwofive (264 pts, 55 comments)
  5. Pedido urgente de ajuda: Lisboa by deleted (256 pts, 195 comments)
  6. A capa do i de hoje. Os meus parabéns. by u/BlizzTheMighty (249 pts, 107 comments)
  7. Bom trabalho portugal! by u/xc9000 (228 pts, 82 comments)
  8. O gato Costa by u/cool_raver (213 pts, 20 comments)
  9. Campanha GNR by u/golden430 (203 pts, 53 comments)
  10. This is one of the things I look most forward to when I plan a trip to Portugal (I am from Denmark) by u/Maktone (195 pts, 55 comments)

Top Comments

  1. 185 pts: u/twistedfires's comment in Como escolher melancias?
  2. 141 pts: u/autoclismo's comment in Há padeleiros por aqui?
  3. 137 pts: u/No_Im_Not_High's comment in Hello portugal!
  4. 112 pts: u/CrazyJony's comment in Um resumo da semana que passou em Portugal
  5. 110 pts: u/autoclismo's comment in It's not our fault, really
  6. 106 pts: u/Zorthianator's comment in Does anyone know the name of this Portuguese dish and perhaps has the original recipe?
  7. 104 pts: u/Vasco_da_Gamba's comment in Namoro com a minha prima. AMA I guess..
  8. 104 pts: deleted's comment in Does anyone know the name of this Portuguese dish and perhaps has the original recipe?
  9. 102 pts: u/QuintoImperio's comment in Malato, sobrevivente dos atentados de Paris
  10. 97 pts: u/potatoschnitzle's comment in Fui agredido pela GNR, vale a pena fazer algo?
Generated with BBoe's Subreddit Stats SRS Marker: 1451341110.0
submitted by amici_ursi to subreddit_stats [link] [comments]


Viúvos devem casar de novo? Viva Bem Namoro na Terceira Idade 12/06/13 - YouTube Os 20 MELHORES Sites de RELACIONAMENTO para BATE PAPO ONLINE (Relacionamento) conquistar mulheres viuvas COMO CRIAR UM SITE DE RELACIONAMENTO NAMORO - YouTube ROBLOX virou um SITE DE NAMORO !! kkkkkkk - YouTube Site de Relacionamento, Namoro, Cupido Cristão - YouTube Como Criar um Site de Namoro ou Relacionamento! - YouTube Site de relacionamento - Namoro cristão - YouTube Paternidade de Deus - Órfão, Viúva e Solitário

NAMORO - Igreja Batista Pedras Vivas

  1. Viúvos devem casar de novo?
  2. Viva Bem Namoro na Terceira Idade 12/06/13 - YouTube
  3. Os 20 MELHORES Sites de RELACIONAMENTO para BATE PAPO ONLINE (Relacionamento)
  4. conquistar mulheres viuvas
  5. COMO CRIAR UM SITE DE RELACIONAMENTO NAMORO - YouTube
  6. ROBLOX virou um SITE DE NAMORO !! kkkkkkk - YouTube
  7. Site de Relacionamento, Namoro, Cupido Cristão - YouTube
  8. Como Criar um Site de Namoro ou Relacionamento! - YouTube
  9. Site de relacionamento - Namoro cristão - YouTube
  10. Paternidade de Deus - Órfão, Viúva e Solitário

Site de relacionamento - Namoro cristão. Veja o paralelo do texto do Antigo Testamento que apresenta o Senhor com Pai de Órfãos e Juiz de Viúvas e o encontro de Jesus com uma Viúva que estava levando seu filho único e órfão para ... Viúvos e viúvas devem casar de novo? É melhor assumir um novo compromisso ou compartilhar os bons momentos com múltiplas companhias, mas vivendo cada um em s... Viúva negra procurava homens com mesmo perfil: carentes, pobres e que bebiam demais - Duration: 8:14. Repórter em Ação 444,115 views Como Criar Um Site de Relacionamento - Guia Definitivo SOBRE - http://bit.ly/2QyGrwX Nesse guia você terá todo conhecimento necessário para criar um top site... Sites de Relacionamento Para Bate Papo Online, Os Melhores Site de Relacionamento, Bate Papo e Relacionamento Conheça Agora e nao perca a chance, Site de Namoro, Encontre seu par e Tenha um ... Olá, Pessoal aqui é Fernando Brazil Nesse vídeo irei dar dica de um tema em WordPress que é ideal para criar um site de namoro completo com área de membros, ... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Salve galera beleza ???? estamos de volta com mais um vídeo, sobre o roblox estar virando um site de namoro ?? Meu Perfil Do Roblox https://www.roblox.com/u... O mais sério site de relacionamento e namoro e o Cupido Cristão. Hoje em dia procuramos amor em lugares distantes e impróprios quando na verdade o amor está ...